Desista de abraçar dragões, eles são implacáveis

Tempo de leitura: 2 minutos

Título: O sacrifício que só queima. Autora: Mariana Fernandez

Escolha suas batalhas, eles nos disseram, mas nunca parei para refletir. Hoje, entendo na pele o que isso significa. Podemos escolher batalhas mais justas, gloriosas, mas insistimos nas inglórias, que levam sempre ao mesmo sofrimento, que nada alteram o curso da humanidade.

Tentando ser Joanas, somos apenas vítimas, porque insistimos em duelos traiçoeiros.

Até quando seremos as donzelas que se lançam aos dragões para aplacar a sede de violência? Quando, alguma vez, a submissão venceu a ira? O fogo dos dragões não cessa, porque é da sua natureza, e só cessará com eles, quando aprenderem que o fogo não preenche seus vazios, apenas aplaca suas pressões ao devorarem as melhores intenções alheias.

Talvez, somente aprenderão a não destruir a vida que se acerca quando não houver mais vida a se acercar, quando as donzelas se negarem a se submeter e permanecerem longe de sua ira sem fim.

Quando estiverem sozinhos, com, talvez apenas, um cigarro para queimar, regados a álcool para manter o fogo tóxico aceso – ou, nem isso, talvez apenas, quando o corpo morrer – , entendam que o fogo da alma era outro e se acendia pelo cessar fogo, pelo olhar para a alma do outro, para o andar de encontro ao outro, para o se permitir sentir mais profundo, para se jubilar na diferença. A verdadeira coragem está no olhar profundo agora, não no ataque às energias fronteiras.

Te digo amiga e amigo, que decidi parar de abraçar dragões porque quero novas batalhas, aquelas que atearão fogo ao fogo da minh’alma, aquelas que me farão efetuar prodígios por viver com integralidade, aquelas que me permitirão ser o que vim pra ser.

Se seu abraço é apenas malha, se suas palavras são apenas palha, se sua alma apenas se deixa queimar sem ser candeia no caminho, desista da batalha, deixe o dragão morrer de sede de atear, deixe o dragão consumir-se a si mesmo até se transformar em pó e liberar sua centelha do Criador… o pó e a centelha virarão flores depois, e a beleza, a candura e o amor se restaurarão no nosso lugar. Sem submissão não há dragão.

Deixe uma resposta