Ninguém precisa de lenço umedecido

Tempo de leitura: 12 minutos

Quando escrevi o último artigo Creme para prevenção de assaduras: um produto a menos, esperava por críticas ao que estava defendendo, muitas. Só que, para minha surpresa, não li uma sequer por onde o texto foi compartilhado nas redes, pelo contrário, além de alguns questionamentos sobre como lidar na prevenção e tratamento de assaduras, li com alegria os inúmeros comentários e dicas envolvendo o tema de trocas e de menor uso de produtos industrializados nas crianças desde bebês.

Assim, me certifiquei da necessidade de complementar o tema de trocas, mas apenas para destrinchar o que já está explícito. Dessa forma, acrescento que lenço umedecido é outro produto a menos para se consumir na vida mãe-bebê.

Mas, antes de começar a desfiar “elogios” ao lencinho, te faço uma pergunta: você já usou lenço umedecido em você? Ou melhor, já usou lenço umedecido em você durante meses seguidos, todos os dias, diversas vezes ao dia? Recomendo experimentar para sentir na pele, literalmente, o porquê de esse ser um produto ruim,  que deve ao máximo ser evitado. Se quiser testar e tirar suas próprias conclusões, nem precisa continuar a ler. Nada ensina melhor do que a própria experiência ;). Do contrário, vamos adiante!

A primeira vez que troquei meu primeiro filho. Vovô arrumando. (Março/2009)

Porque abolir o lenço umedecido da vida

A proteção natural da pele

A pele serve de “armadura” para você: suas estruturas protegem o corpo das agressões do meio ambiente, como bactérias e fungos, condições climáticas, poluição e substâncias químicas, entre outras.

Além de proteger o corpo, a própria pele produz para si uma camada de proteção, chamada manto hidrolipídico. Esta camada é formada por uma mistura de gordura, produzida pelas glândulas sebáceas, e suor, fabricado nas glândulas sudoríporas.

O manto hidrolipídico lubrifica a pele e os pêlos. E porquê essa lubrificação é importante? Porque a camada de sebo e suor torna a pele mais resistente às infecções. Os fungos ou bactérias presentes no ar têm mais dificuldade de penetrar na pele e causar doenças, como as conhecidas micoses e o impetigo (aquela doença de pele que aparece em crianças).

Além de evitar infecções, o manto hidrolipídico protege a pele dos agressores externos que estão no ar, como pó, pólen, pêlos… Sem proteção, estes agentes irritam a pele, causando dermatites (inflamações). A pele também fica mais protegida da ação de moléculas das substâncias químicas, como aquelas que fazem parte dos detergentes e outros produtos de limpeza. Estas substâncias podem causar grande irritação, com vermelhidão, inchaço, coceira e secreções.

A lubrificação deixa os pêlos mais fortes, com menos chance de quebrar. Inteirinhos, eles ficam mais bonitos e desempenham melhor sua função de manter a temperatura do corpo nos dias ou locais frios.

Outra função do manto hidrolipídico é impedir o ressecamento, evitando a perda de água pela pele. Isso é muito importante em regiões ou épocas do ano nas quais a umidade do ar está baixa. Se não fosse o manto hidrolipídico, sua pele ficaria ressecada com mais facilidade. (Fonte: Saúde Total)

Os simples motivos para se abolir o consumo dos “inocentes” lencinhos são:

caro: passar um simples algodão umedecido com água ou lavar o bumbum do seu filho, AINDA, é mais barato do que limpá-lo com o produto, então, pra quê gastar?

antiecológico: os lenços umedecidos, são produtos descartáveis e podem ser facilmente substituídos por processos e produtos menos poluentes. Não estamos em uma conjuntura planetária onde podemos continuar consumindo produtos descartáveis, gerando lixo que ficará aí, ao Deus dará sabe-se lá até quando, para se degradar. Isso é um fato. Se você prefere ter água potável para seus filhos e netos, simplesmente pare de comprar produtos descartáveis. Além de ser descartável, esse “suave” produto, pode conter além do TNT (tecido não-tecido), que custa a desaparecer, mais de 10 substâncias químicas que contaminam o meio. Bom, se você não se importa em comer vegetais “temperados” (inclusive os orgânicos), basta continuar a utilizar produtos tóxicos, pois tudo o que você descarta, um dia você pode consumir de alguma forma, porque “na natureza (lembra?) nada se perde, nada se cria, tudo se transforma!” Pense em quantas reencarnações seu filho virá à Terra enquanto o “lixinho” dele, de milhares de lencinhos (fora as mais ou menos 5 mil fraldas, se vocês consomem descartáveis), se decompõe.

insalubre: contém muitas substâncias químicas agressivas como o metilisotiazolinona, frequentemente encontrado em alguns lenços umedecidos e também usado em diversos produtos para limpeza doméstica, causador de graves alergias. Contudo, mesmo descartando a possibilidade de causar alergias, todo lenço umedecido remove em maior ou menor escala o manto hidrolipídico da pele (leia mais no quadro ao lado), deixando-a muito mais vulnerável a assaduras, candidíase (fungo), infecções bacterianas, etc, enfim, todo tipo de invasão. O perigo também está na possibilidade de ingestão dessas substâncias, como ressaltado num trecho de uma matéria de 2007 da revista estadunidense Baby Care Products:

“Os bebês e as crianças são especialmente vulneráveis ​​a produtos químicos presentes em shampoos, sabonetes, loções, pomadas, lenços umedecidos e outros produtos. O cérebro das crianças, o sistema nervoso e outros órgãos, ainda estão em desenvolvimento, e assim substâncias que têm um efeito pequeno em adultos podem contribuir para problemas maiores em crianças. Os bebês também podem ingerir produtos que são destinados apenas para uso externo pelos dedos, mãos, colocando os dedos, brinquedos e outros objetos na boca. A pele dos bebês é mais fina e portanto mais permeável do que a pele de um adulto, permitindo que os componentes químicos sejam absorvidos com maior facilidade.”

 Da suposta necessidade do lenço

Óleo Johnson. Publicidade dos anos 50.
Anos 50. Advento das fraldas descartáveis. A indústria percebe o bebê como consumidor e cria diversos produtos para suas “necessidades”.

Todas as vezes que vou a São Paulo compreendo o porquê da maioria de nós, mães urbanas, usarmos em nossos bebês diversos produtos nada sustentáveis: faz parte da “natureza” da cidade vivermos atentando contra nossa saúde.

Como trocar um bebê no carro ou num banheiro público com fraldas de pano e algodão umedecido em água, a opção mais saudável e econômica que existe? Que é possível, sim, é possível, porque eu consigo, mas que é difícil é, e com lencinho e fralda descartável é muito mais fácil; mas também, muito mais custoso, como estamos constatando.

Daí você vai me dizer: “Ah, mas só água não mata todos os GERMES!” Olha, eu sinceramente prefiro um pouco de germes supostamente perigosos na pele, que um montão de substâncias químicas detonando o manto hidrolipídico e a flora natural e abrindo caminho para uma invasão muito pior.

Essa ideologia higienista, que ganhou força a partir da industrialização, êxodo rural, formação das massas urbanas, consumismo, etc, não é natural. Não é natural usarmos um produto descartável com N substâncias químicas, sobre as quais ainda não temos total noção do mal que fazem, mas que consumimos porque serve à praticidade, somente. De que adianta um produto nos fazer ganhar tempo mas, ao mesmo tempo, perder saúde?

Uma coisa que aprendi nos últimos anos, num processo gradativo de simplificação da vida (gratidão suprema por isso!) é que podemos e devemos escolher com o quê facilitar a vida.

O processo de criação de uma necessidade ilusória, é mais ou menos assim: primeiro nos dizem que temos um monte de necessidades que não temos e nos fazem acreditar que temos, depois, nos enchem de produtos para satisfazê-las, depois e depois e depois vão “simplificando ainda mais as nossas vidas” nos trazendo produtos inovadores, que facilitam nosso cotidiano de satisfação daquelas necessidades lá do começo do parágrafo, que, na verdade, nunca tivemos. C’est le marché!

Em São Paulo você “precisa” de lenço umedecido pra trocar seu bebê porque você “precisa” correr pra trabalhar, correr pra trocar ele no carro porque é perigoso, correr pra trocar ele no fraldário porque tem fila, correr pra trocar ele porque você tem pouco tempo para cuidar do seu bebê. Tem mesmo? Ou você aceitou isso como verdade e corre com isso sem necessidade? Escolha! É uma questão de escolha, saiba disso, pra que você escolha com consciência e não por inércia. Falo isso agora, mas na minha primeira viagem como mãe, eu não sabia que tinha escolha.

Lencinho umedecido e o cuidado corrido: a minha experiência 

Com meu primeiro filho gastava horrores em lencinhos e vivia questionando minha mãe e avós (como a maioria das mães de primeira viagem), inconformada,  de como elas faziam na época delas para limpar os bebês, e elas me diziam que era com fraldas de pano ou lavando. Para mim, na época, aquilo era algo totalmente impensável, inviável, trabalhoso demais, demorado demais, nada prático. Hoje compreendo que os lenços umedecidos eram um item indispensável na minha rotina com meu filho porque eu corria demais com muitas coisas e limpar meu filho com algo menos agressivo e “demorado”, não era nem mesmo cogitável.

Anita em seu banho de sol sem fralda, fortalecendo os ossos, a pele e a alma, com quase 5 meses
Anita em seu banho de sol sem fralda, fortalecendo os ossos, a pele e a alma, com quase 5 meses

Na época da minha segunda filha, eu decidi trabalhar menos, ser mais presente, cuidar sem pressa, consumir menos lenços. Aos 7 meses de vida dela, o uso de algumas marcas de lencinhos lhe causaram uma assadura dura. Na ocasião, suspendi o uso e, após o tratamento, reduzi ainda mais o consumo e passava uma fralda de pano ou algodão umedecidos em água para retirar um pouco da química do produto quando o usava.

Com a caçulinha, prefiro lavá-la com água na maioria das trocas, ou uso algodão umedecido, especialmente fora de casa. Lenço umedecido é só na urgência e em viagens, assim como fraldas descartáveis. Imagine a economia que venho fazendo, mas, melhor que isso, imagine a pele resistente e lindinha da minha pequenininha. 😀

O excesso de consumo de lenços umedecidos está diretamente ligado a nossa falta de tempo para sermos mães.*

Estamos falando aqui de libertação de consumo desnecessário, de economia de recursos, de saúde, de perder tempo com o que vale a pena. Quer cuidado mais delicioso que trocar, limpar, acarinhar nossos filhos nos constantes momentos de troca, porque, além de lhes trocarmos as fraldas nesses momentos, trocamos sobretudo carinhos, olhares, palavras, amor.

Você tem opção!

Estela de zebrinha no jardim. Com 6 meses. Agosto/2015.

Você pode fazer como eu e lavar o bumbum e genitais do seu bebê quando estiver em casa ou onde seja possível, usar algodão embebido em água (que só precisa ser morna em tempo frio), pode usar borrifador nas trocas, óleo de gergelim, de coco, azeite, etc, com paninho, toalhinha, etc, etc. Internet tá aí pra N opções.

Se você não quer abrir mão da praticidade do lencinho, opte por fazer você mesma um produto mais seguro. No YouTube e em diversos sites, há tutoriais ensinando como fazer o produto de forma artesanal e biodegradável: uma opção mais segura para a saúde do seu bebê e para o nosso planeta. Como este, por exemplo.

Sou mãe de três e perco tempo nesse cuidado cheiroso que é trocar minha bebê sem lenços e com fraldas de pano, e,  sim, me arrependo de ter corrido tanto, mas regressivamente, com meus dois primeiros bebês. Se eu pudesse voltar no tempo, “perderia” mais tempo nas trocas deles, trocando com eles, esquecendo do tempo e dos lenços.

Libertem-se também! Protejam-se. <3

Namastê!

Saiba mais sobre os tóxicos encontrados em produtos infantis, inclusive em lenços umedecidos (parabenos!) (em inglês): EHN Special Report: ‘Chemicals of high concern’ found in thousands of children’s products

_________________________________________________________________
Conheça o treinamento online que vai fazer você tomar conta do seu MUNDO.

7 Comentários


  1. Amei a matéria! aqui sempre usei algodão e água,já estamos com 6 meses,infelizmente não tivemos condições de investir em fraldas de pano 🙁 tenho duas porque ganhei rs
    Gostaria de saber se você usa algo para substituir pomada anti assadura? Aqui tenho usado Bepantol Baby
    e se também usa outros produtos naturais para substituir shampoo e outros produtos de higiene


    1. Vi num blog italiano ensinando a fazer uma pomada caseira com 50 g de pó de óxido de zinco (não sei se acha aí no Brasil, na Itália vende em algumas farmácias ou em lojas online de matérias primas para cosméticos feitos em casa) e 50 g de azeite de oliva, que pode ser substituído por metade de azeite de oliva e metade de óleo de amêndoas, se a pessoa tiver me casa pode adicionar óleo vegetal de calêndula também. Ela joga o óleo aos poucos no pó de óxido de zinco, até virar um creminho. Ela guarda num frasco de plástico opaco e branco, e mantém protegido do calor, em local bem fresco (pra aumentar a durabilidade ela diz que pode ser guardado na geladeira), vi num comentário ela falando que tem uma pasta pronta há três anos e que ainda é boa. Ela diz que se o óleo se separar do pó basta mexer com uma colher limpa que volta a ser como antes.
      Esse é o blog da criadora da pomada caseira, que inclusive foi patenteada pela mesma, vc pode entrar lá com Google Chrome e usar a função de tradução: http://www.lareginadelsapone.com/2011/03/pasta-di-hoffmann.html


      1. Lembrando que a dona do blog aconselha a não usar a pomada em todas as trocas de fraldas, ela aconselha a usar apenas quando é necessário.


      2. Outra coisa a pomada caseira que ela tem pronta há três anos ela guardou em lugar fresco e arejado o ano inteiro. Ela diz que se a pessoa tem um lugar fresco e arejado o ano inteiro, nem precisa colocar na geladeira…


  2. Super útil esse post, amei a idéia do borrifador e dos lenços umedecidos feitos em casa, obrigada por compartilhar tanta informação interessante. Estou grávida e já decidi que quando meu bebê nascer vou limpá-lo com algodão e água, e espero conseguir fazer os lenços umedecidos para usar em possíveis trocas dentro do carro em viagens longas em dias frios. Gratidão!


  3. Ah, que lindeza ver as pessoas cada vez mais conscientes sobre a totalidade, sobre o cosmo, sobre sermos parte, sobre quebra de paradigmas inventados e tidos como verdade. Como é bom fazer parte desse momento na Terra. Sobre o tema, algodão e água, com um arremate final de óleo mineral (ele limpa toda sujeirinha que ainda tenha ficado) e sim, fraldas de pano! Puro amor! Vamos juntas, Mari!

Deixe uma resposta