Não é você, sou eu!

Tempo de leitura: 7 minutos

Desde que decidi viver de acordo com o que acredito, e, por conta disso, tomar decisões consideradas um tanto drásticas para o senso comum, vira e mexe ouço os comentários abaixo ou outros parecidos, que, muitas vezes, são feitos com um quê de agressividade, principalmente por eu ter três filhos e impactar a vida deles com as minhas escolhas “diferenciadas”.

“Como assim você vai sair do seu emprego pra cuidar dos seus filhos?”

“Como você vai pagar as suas contas?”

“Não acredito que você não assiste TV! Vocês não podem se isolar do mundo!”

“Dó dessas suas filhas!” (por não terem as orelhas furadas)

“Você lava fraldas??? Isso é coisa antiga!”

“Mas você não pode ficar sem celular!!!!!!!”

“Você só pode ser louca!”.

O que algumas pessoas precisam entender é o seguinte:

– o que me faz feliz não é o mesmo que as faz felizes (o que te faz feliz?),

– por eu não viver como a maioria da urbanidade, ao fazer escolhas de vida um pouco diferentes, não quer dizer que eu seja diferente, mas que todos nós somos uns dos outros; só que EU, prefiro fazer parte dos 20% e tento fazer com que minha vida se pareça comigo, apenas.

– quando eu mudo, ou quero mudar alguma coisa na minha vida, eu não estou necessariamente criticando ou questionando esta mesma coisa na vida de ninguém.

PEDALADA
Primeira pedalada da Anita. Caraguatatuba. Junho/2013.

Escrever sobre as minhas experiências e mudanças não tem a intenção de forçar ninguém a ter as mesmas experiências e a fazer as mesmas mudanças, mas sim inspirar e incentivar as pessoas a tomarem consciência de suas escolhas e a fazerem qualquer mudança que acharem importante ou necessária.

Dessa forma, eu mudo o que eu preciso mudar daqui e cada um muda o que precisa mudar na própria vida, pra todo mundo ser mais feliz. Se tiver sincronicidades, ótimo, vamos trocar figurinhas. Se não, nos respeitamos com nossas particularidades e nos desejamos o melhor.

Recentemente, fui agressivamente combatida em alguns grupos do Facebook por causa dos meus últimos artigos, tendo as críticas até ultrapassado o conteúdo dos textos e sido feitas contra a minha pessoa, sem que sequer me conhecessem, claro. Pois bem, sendo meus textos baseados na minha experiência, explanando as minhas conclusões, as pessoas não deveriam ter se sentido ofendidas, porém, como bem disse Paula Abreu, “se estivessem bem felizes e satisfeitas com as suas próprias escolhas, não se incomodariam mesmo que, de fato, estivessem sendo criticadas ou questionadas”.

O que aconteceu comigo nos recentes episódios enérgicos foi surpreendente para mim. Em vez de eu me irar com os discursos violentos eu ria e, muitas vezes, me compadecia, pois, como afirmou a talentosa jornalista e doula Kalu Brum, recentemente, em seu perfil no Facebook, quando foi duramente criticada em seu artigo sobre a celebridade que não conseguiu amamentar,

“tem uma frase que diz: se você se sente julgada há uma escolha não bem resolvida ai dentro. Porque quando a gente decide, quando tem certeza de nossas escolhas, não nos incomodamos com a opinião alheia (…)Se te choca, se cheque. Quando checamos nosso incômodo fazemos perguntas ao invés de procurar nos defendermos com respostas. Aí mora a revolução, sempre! Para todas as coisas da vida.”

O que acontece quando  fazemos escolhas conscientes na nossa vida é que podem tentar nos ofender,  nos atingir, e até nos impedir, mas nos tornamos como um rio: se atiram pedras contra nós, elas não nos ferem, muito menos nos desviam do nosso curso, pois um rio recebe todas as pedras atiradas contra ele sem se defender, elas mergulham em seu leito enquanto ele passa, sem cessar. Quando você flui com sinceridade, quando está sendo verdadeiro no seu caminhar, nada atrapalha, tudo ou soma ou indifere. 

Agindo dessa maneira, você não está vivendo na superfície do ego apenas, mas de uma forma mais condizente com o seu EU mais profundo, ou seja, você vive mais consciente, de quem é e do que quer desta vida! Por isso, eu, por exemplo, não estou nem aí pras críticas.

Eu e Ana na pista de bicicross de Caraguatatuba. Novembro/2013.

Então, “se eu quero doar as minhas coisas e viver com menos, é porque está ME incomodando ter tanta coisa, tanto acúmulo desnecessário, gastar tanta energia cuidando e mantendo essas coisas de que eu no fundo não preciso. Não quer dizer que eu acho que ninguém deva se desfazer de nada…não é você, sou eu”.

Se eu quero fazer Arte (escrever, cantar, dançar…) é porque isso faz bem pra mim, faz parte da minha vida desde que eu nasci, me faz feliz. Pode ser que o que te faça feliz seja pular de parapente (Caraguá! Aí vou eu!), ou ter 15 gatos, como eu já tive, ou nadar pelado na cachoeira, como eu, também, já fiz algumas vezes. Ninguém é obrigado a ser artista (nem a ter coragem).

Se eu quase não consumo alimentos industrializados e gosto de ter minha própria horta doméstica e preparar alimentos livres de agrotóxicos (eu também adoro uma pizza de vez em quando ou um brigadeiro de panela), não quer dizer que estou criticando você que consome uma pancada de alimentos processados e que prefere dar um iogurte na mão do seu filho a ensiná-lo a comer vegetais. Não é você, sou eu.

Se eu reduzi meu consumo de produtos de higiene e limpeza e prefiro usar produtos naturais e menos agressivos ao meio ambiente e à saúde da minha família, não quer dizer que você também tenha que limpar a casa com vinagre ou passar óleo de coco no cabelo ou escovar os dentes com açafrão da terra e bicarbonato.

Se eu decidi ter minha terceira filha numa casa de parto do SUS, de parto normal, sem anestesia, não quer dizer que você deva fazer o mesmo. O parto é da mulher, sempre, e meu papel, apenas, é compartilhar informações importantes, para que ele seja, realmente.

Se eu amamento há mais de 4 anos (e contando) e se o fiz exclusivamente até os seis meses de cada um dos meus três filhos, e se nunca dei bicos artificiais para nenhum deles, não quer dizer que você tenha que fazer o mesmo, só não me peça para apoiar discursos desencorajadores, num país onde a média de aleitamento materno é de APENAS 54 dias.

O que eu quero, de verdade, é fazer você parar pra pensar, se perguntar, se questionar, e descobrir o que você pode mudar na sua própria vida em busca de mais conexão, pra ser mais feliz.

“É só plantar a semente da dúvida e convidar à reflexão”.

De resto, não é você, sou eu.

E isso vale para você também, é claro! Toda vez que te criticarem ou julgarem, rebata (nem que for somente em pensamento) “não é você, sou eu!”, (faça disso o seu mantra) porque só você sabe, de verdade, o que é bom pra você, só bastando, às vezes, você descobrir.

Vamos lá, compartilhe comigo nos comentários o seu “não é você, sou eu!”, pois como disse o grande Osho: “não há êxtase maior do que você conhecer a si mesmo.”

Namastê!

_________________________________________________________________
Conheça o treinamento online que vai fazer você tomar conta do seu MUNDO.

PS: Inspirado no homônimo da minha colega Paula Abreu.

Rio Itamambuca, Ubatuba. Dezembro/2011.
Rio Itamambuca, Ubatuba. Dezembro/2011.

2 Comentários


  1. Não é você, sou eu.
    Quem liga desenho pro filho assistir enquanto trabalha, porque não encontrou outras formas de ter ao menos 10 minutos de concentração para algo importante ou prioritário.
    Eu canso.
    🙂
    E diariamente busco maneiras de evitar os desenhos: brinco junto, faço massinha, dou tinta, chamo pra cozinhar, pra cuidar das plantas, pra brincar de blocos.
    Onde tem concentração, ficamos por um tempo.
    E a tv passa a ser algo esporádico, de menor importância.
    Pra mim, o equilíbrio é importante.
    Preciso respirar.
    Mas no respiro, havia culpa. “Ai, o desenho…”
    Agora me acolho, me respeito, me perdoo: “Ah, 10 minutinhos de relax!”
    E assim seguimos…
    🙂


    1. Ai Má… quantas vezes me culpei por causa da TV! Não dá mesmo pra exigirmos de nós perfeição. Exigi-mo-nos perfeição como mães, mas e quanto a nós, como mulheres inteiras? Acho que se não podemos ser perfeitas para nós mesmas, não podemos exigir isso de nós quanto aos filhos. Já me culpei muito, e ainda faço, mas como fazer? Muita atenção demandada, sem ninguém pra dar uma mão a maior parte do tempo, casa gritando, home office por fazer… Aqui TV (o aparelho) é bem pouco, um desenho pra cada um ou um filme para os dois por dia e olhe lá, tem dias que passam sem. Não temos tv aberta e a cabo há anos, mas temos streaming. Mas, ano que vem tem escola, pra nós e pra vocês e não precisaremos mais dessa babá. Abração!!! 😀

Deixe uma resposta