Eu, mãe solo de três, puérpera, longe da família e feliz

Tempo de leitura: 14 minutos

Por conta de tantas indagações e pedidos de conversa é que decidi explanar um pouco mais sobre minha condição e sobre as minhas conclusões e escolhas de mãe solo de três, que vive longe da família de origem.

Quase todas às vezes que saio com meus três filhos, ouço frases do tipo:

“Os três são seus? Como você consegue?”

“Eu não conseguiria, já sofro com um!”

“Meus Deus, que escadinha!”

“Ah, mas é bom porque cresce tudo junto né?”

“Agora parou né? Não vai querer mais, ou vai?”

Imaginem se soubessem que moro sozinha com os três, há mais de três horas de distância da família. Quando sabem, vem mais uma enxurrada de comentários:

“Mas você não tem medo?”

“Mas, e se acontece alguma coisa?”

“Tem hospital bom onde você mora?”

“Você não tem empregada todo dia!”

“Como você é corajosa!”

Na maioria das vezes eu tenho a boa vontade de compartilhar um pouco da minha realidade, afinal, não é uma curiosidade ruim, as pessoas querem aprender algo com a gente, querem entender como é possível vivermos felizes com certas dificuldades. Mas às vezes cansa, confesso, porque isso acontece em quase toda saída… coisas de Brasil. E, quando eu respondo breve (geralmente quando as questões não são feitas de forma amorosa), dificilmente contenta, mas daí quem tem que se contentar sou eu, né? 😉

O que eu gostaria de deixar claro é que o trabalho de uma mãe, principalmente a de crianças pequenas, como eu, é o maior trabalho do mundo (os motivos eu deixo pro vídeo abaixo), então, mais do que questionar, aproveite a oportunidade para auxiliar, para por em prática sua gentileza, seja puxando um carrinho no mercado enquanto a mãe segura o filho no colo (e mais dois no braço, no meu caso), seja dando o lugar na fila, porque embora seja lei, não é unanimidade (principalmente quando “falta” a fila preferencial ou quando não há fila, mas tumulto). Tenho a sensação de que algumas pessoas, ao ficarem questionando ou julgando as mães por aí afora, propositalmente (algumas inconscientemente), perdem a deixa para ajudar, ou arranjam motivos para não fazê-lo (“quem mandou ter três”, “quem mandou separar”, “por que não deixou na creche?”, “aqui não é lugar de criança”, etc). Ficar questionando demais ou fingir-se de morto, claro, cansa bem menos do que dar uma mãozinha, levando o carrinho do mercado de volta, por exemplo, e não toma nosso tempo tão curto com problemas que não são nossos, não é mesmo?

Sobre ter três filhos e de idades próximas, eu acho um fato inquestionável, mas muita gente questiona ou me considera “insustentável”, (mesmo eu tendo com eles uma vida que vai ter que compensar a metade do carbono da vida de muito adulto ou criança de classe média/alta de cidade grande), mas eu não ligo. Desde criança me imaginava uma mãezona de três amamentadora, com leite pra dar e vender e com uma família agitada e feliz. Se vou ter mais? Não penso nisso, mas sempre me aqueceu o coração a ideia de adoção… quem sabe.

Sobre morar longe da família, que está em São Paulo, eu acredito que a qualidade de vida de quem mora no litoral norte do estado, não tem preço (concordo com Caymmi quando cantava que “quem vem pra beira do mar nunca mais quer voltar”). Outro ponto, que quem já morou em São Paulo sabe, é que se você não mora perto da família, bem perto aliás, tipo, no bairro, é como se vocês morasses em cidades distintas, porque atravessar a cidade leva tanto tempo e estresse no trânsito, que pra ver parentes ou amigos que moram em outra zona da cidade, você tem que fazer uma baita programação com antecedência, isso, quando não falhamos, porque vida muito urbana nos consome.

Então, prefiro viajar pra Sampa uma vez ao mês com os três que tá ótimo. Visitamos todo mundo e eu tenho uma folguinha pra mim, porque sobra atenção pra eles.

IMG-20150711-WA0001
Meu trio na casa da vovó. Julho/2015.

Algumas vezes eu cheguei a pensar que poderia ser mais fácil se eu voltasse a morar perto da minha mãe, mas, pra isso, eu teria que pagar o preço de viver alarmada com medo da violência nos semáforos, teríamos que morar em apartamento e abdicar do espaço, teríamos que nos confinar às áreas comuns do condomínio e viver muito tempo dentro de um carro, pra ir de um lugar a outro, não teria liberdade em qualquer rua com as crianças e teria que morar, literalmente, do lado, pra ter essa “mão” no dia-a-dia (o que eu não acho legal pelo que enumerei até aqui ) ou nos veríamos apenas nos finais-de-semana, sendo assim, pra quê morar em São Paulo? Isso sem falar na diferença do ar, do ollhar, do mar…

Sobre a questão da segurança e da saúde eu garanto que quem mora na praia sofre muito menos com isso. Moro em um pequeno condomínio fechado, não por segurança, mas porque tem uma grande área gramada, lugar de sobra para a minha horta/pomar/plantas em vaso e para as crianças brincarem, é claro. Sobre assistência médica, não temos hospital bom na cidade, mas… não temos a violência das grandes cidades nem temos a parca qualidade de vida que adoenta muito mais, então…

IMG_20151007_140810
Estelinha. Fim de tarde na Praia de São Francisco, São Sebastião. Outubro/2015.

Quanto a morar em cidade pequena, sempre me falam “ah, mas não tem TUDO na sua cidade! Você não sente falta de NADA?”. Primeiro que “tudo” e “nada”, neste caso, são conceitos bem relativos. O que é tudo pra mim, como ter o mar ali ao lado, pode ser nada pra você que prefere ter uma farmácia na esquina de casa, o que é nada pra mim. Mas, nessa situação, eu prefiro responder expondo a realidade: que mal vou ao centro de São Sebastião, porque do lado de casa tem mercado, padaria e praia. Falta alguma coisa? Nem de farmácia eu preciso, porque não consumimos fraldas descartáveis e lencinhos, esse tipo de coisa que faz a gente ter que sair de pijamas pra comprar quando acaba. Fora que a cidade é pequena, então o centro tá logo ali, há 2 km. Quando procuro algo diferente, muito peculiar, eu providencio quando viajo. Mais uma desculpa pra viajar sempre. 🙂 Mas, no nosso dia-a-dia, falta nada. Hoje em dia tem de tudo em cidades pequenas e os pequenos produtores e comerciantes locais divulgam pela web seus produtos: essa vitrine virtual focada em nichos, equilibra bem a demanda e a oferta frente aos desejos dos consumidores locais.

Sobre a questão do “meu Deus, você sozinha com três crianças pequenas! E se acontece alguma coisa?” Ora, se acontecer alguma coisa eu grito, temos telefone, ligamos pra polícia, Samu e a turma toda da emergência. Fora que os vizinhos de cidades pequenas são muito mais próximos, muito mais disponíveis pra qualquer auxílio. O que eu não posso, na minha concepção, é viver sem qualidade de vida por ter medo de que algo extraordinário aconteça. Abandonei, gradativamente, nos últimos anos, essa necessidade urbana de buscar segurança material em excesso, principalmente por ser uma necessidade urbana, portanto, que não se aplica tanto mais a minha realidade caiçara.

Outro ponto que eu venho concebendo sobre esse excesso de proteção é que isso, na verdade, é uma ilusão. Ninguém está a salvo e quanto mais a gente se protege da morte, menos a gente vive. Em cidades grandes, grande parte do dinheiro vai para a proteção (dos bens e da vida): estacionamento, condomínio, seguros diversos, locais seguros, segurança de rua etc. Daí as pessoas trabalham muito pra pagar o aparato todo, isso quando não empata ou falta, e aí? Você usou uma boa parte do seu precioso tempo de vida trabalhando para conseguir capital para investir na proteção de si mesmo e dos seus pertences e nada mais, na verdade você não protegeu sua vida, você acabou com ela se protegendo a morte, que já é uma realidade pra você. Porque quanto mais coisas você tem, mais tempo você tem que perder para assegurar que elas continuem sendo suas. A vida é agora, sempre. Viver é Ser, não ter.

Outra coisa que eu aprendi com a minha situação de mãe solo de três é a parar de me vitimizar. Se é difícil pra mim, é mais difícil pra um monte de gente em outras diversas situações mundo afora, com certeza. Sou grata a tudo o que somos e temos e eu estou vivendo exatamente o que eu escolhi pra mim, assim como todo mundo… questão de fé. Outra coisa, nada é para sempre e, se nos animamos, tudo tende a melhorar mais rápido. Quando a gente para de se vitimizar, a vida fica inigualavelmente mais leve e alegre e bons ventos sopram muito mais.

Quantas vezes eu não pensei “Meu Deus! Nunca me imaginei nessa situação! Não é justo! Não mereço isso!” e muito mais pensamentos na mesma vibração, mas sabe o que esses pensamentos faziam? Me feriam, cada vez mais, e passei a perceber que o problema não estava na realidade em si, mas no que eu pensava sobre ela. Pensamentos plasmam. Não-mente me salvou. Orai e vigiai.  A minha realidade é que tenho filhos iluminados e amorosos, meus grandes professores, e, sem incorrer no erros da infantolatria e do autoritarismo, crescemos juntos e somos cada vez mais amor.

Tem uma antiga história Sufi, contada por Osho em seu livro Coragem: o prazer de viver perigosamente, que ilustra bem essa questão escolha/vitimização:

“Um homem estava muito oprimido pelo seu sofrimento. Ele costumava orar diariamente a Deus, “Porque eu? Todos parecem ser tão felizes, porque só eu estou sofrendo tanto?” Um dia, em grande desespero, ele orou a Deus, “Você pode me dar o sofrimento de qualquer um outro e estou pronto para aceitar isso. Mas leve o meu, não posso mais suportá-lo”.

Aquela noite ele teve um belo sonho, belo e muito revelador. Ele sonhou naquela noite que Deus aparecia no céu e dizia para todos, “Tragam todos os seus sofrimentos para o templo”. Todos estavam cansados de sofrer – na verdade todos tinham orado alguma vez ou outra, “Estou pronto para aceitar o sofrimento de qualquer um outro, porém leve o meu sofrimento, é demais, é insuportável”.

Assim todo mundo colocou seu próprio sofrimento em sacolas e levaram para o templo e todos pareciam muito felizes; o dia havia chegado, suas preces foram ouvidas. E esse homem também correu para o templo.

E então Deus falou, “Coloquem suas sacolas na parede”. Todos as sacolas foram colocadas na parede e então Deus declarou: “Agora vocês podem escolher. Podem pegar qualquer sacola”.

E a coisa mais surpreendente foi: que esse homem que tinha estado sempre orando, correu em direção a sua sacola antes que alguém mais pudesse escolhê-la! Ele contudo, ficou surpreso porque todo mundo correu para sua própria sacola e todos estavam contentes com a escolha. O que aconteceu? Pela primeira vez, todos viram a miséria dos outros, o sofrimento dos outros – as sacolas deles eram tão grandes, ou até mesmo maiores!

E o segundo problema era, as pessoas tinham se acostumado com os seus próprios sofrimentos. E agora escolher o sofrimento de outra pessoa – quem sabe que tipo de sofrimento estará dentro da sacola? Pra que se incomodar? Pelo menos você está familiarizado com o seu próprio sofrimento e você já está acostumado com ele, e ele é suportável. Por tantos anos você o tolerou – porque escolher o desconhecido?

E todos foram para casa felizes. Nada havia mudado, eles estavam trazendo o mesmo sofrimento de volta, mas todos estavam felizes e sorridentes e alegres porque conseguiram suas próprias sacolas de volta.

Pela manhã ele orou para Deus e disse, “Grato pelo sonho; nunca mais pedirei novamente. Tudo que você me tem dado é bom para mim, tem que ser bom para mim; eis porque você me deu isso”.”

IMG_20150610_151103
Nossa praia. Pontal da Cruz, São Sebastião. Junho/2015.

Uma amiga da Roda de Mães de São Sebastião um dia comentou comigo “ás vezes dá uma preguiça de vir pra roda, daí eu lembro de você e penso, ‘não, que isso, se a Mari vai com três porque eu não vou com a minha única?!'”. De outra irmãe eu ouvi também: “às vezes eu acho que não consigo mas daí eu penso ‘a Mari com três consegue! tenho que conseguir!'”.

É bom quando as pessoas se inspiram em nós, eu, também, me inspiro muito nos exemplos próximos. Sempre tem alguém com um fardo “maior” ou podemos pensar que cada um de nós carrega o que pode e decide carregar. Quando fica pesado eu peço ajuda, temos que pedir, de nada vale nos sacrificarmos e perdermos o brilho no olhar, a presença no presente.

Laura Gutman, em seu livro La Biografía Humana: una nueva metodología al servicio de la indagacion personal, me trouxe uma luz muito fortalecedora nesse processo de aceitação da maternidade solo, quando diz que:

não importa se nossa mãe (ou cuidadores) ‘fez tudo certinho’. Não importa se foi uma mãe fenomenal, calma, paciente, sacrificada ou justiceira. O que os filhos necessitam para criar seres alinhados com seu ser essencial e em profunda conexão consigo mesmos, é que seus cuidadores compreendam a si mesmos. Se não tivermos cuidadores adultos e maduros, conscientes de seus próprios estados emocionais e sua história, essa sabedoria não será derramada sobre as crianças. Por isso, é pouco provável que as crianças quando cresçam olhem para suas vidas em estado de total consciência.

IMG-20150610-WA0011
Encontro da Roda de Mães de São Sebastião. Junho/2015.

Falando nas amigas-mães, lembro de outro ponto importante na jornada solo das mães: a força dos grupos. Virtuais ajudam, presenciais salvam. A Roda que criamos na minha cidade atual me salvou muitas vezes no puerpério sombrio, lembrando que o fundo do poço é um perigo, mas também, (e, como diz minha mentora Paula Abreu) é libertador. Por isso que, tudo bem a gente ir até o fundo do poço, que é uma viagem quase que inevitável para grande parte das puérperas, mas tente não ficar sozinha por lá, pelo menos, não por muito tempo. Encontre outras mães, principalmente que também estão na fase sombria e as ajude, sim, ajude, porque até quando estamos lá no fundo, podemos ajudar, e, verificar essa nossa capacidade de ajudar alguém quando estamos na pior é que nos tira da pior, é o que faz começar a subir a cordinha que irá nos tirar do fundo do poço e nos levará para a situação de clareza.

E sempre siga o conselho de Frida: “onde não houver amor, não se demore.”

Gratidão por ler! Com estimas de uma vida cada vez mais genuína pra você! Namastê!

 

 

Comentários no Facebook

2 Comentários


  1. Quando for a Sao Sebastião te darei o abraço apertado que te mando virtualmente agora. Tenho 4 filhos e sempre sou chamada de corajosa. Mas, corajosa msm é vc!!! Me lembrarei de ti sempre q estiver sozinha com os meus. Beijo grande 😉

    Responder

    1. Gratidão Flávia! Fico muito feliz por ter sido um alento pra você! Venha me dar um abraço no litoral sim que vou gostar muito e apresentamos as crianças também! 😀 Beijos!! Seja sempre bem-vinda!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *