Como eu resolvi viver do que amo sem voltar atrás

Tempo de leitura: 12 minutos

Após eu escrever meu último artigo, em que descrevi um pouco da minha realidade de mãe solo de três, longe da família e feliz, alguns questionamentos surgiram por parte de alguns leitores e resolvi compartilhar um pouco mais do meu atual processo de busca por uma vida que amo, o que inclui, claro, sustentar essa vida que amo, ou seja: trabalhar no que amo. 

…5, 4, 3, 2, 1! 2016 chegou, algo mudou?

Minha contagem regressiva não é a do ano novo, não acabou com a entrada em 1º de janeiro, nem corre até o fim do Carnaval, ou até o fim das férias, ela acontece todos os dias, porque todos os dias o sol nasce e se põe no horizonte e a cada dia a gente se aproxima do fim desta grande oportunidade que é essa jornada na Terra.

Sempre estamos contando regressivamente: “depois que eu me formar”, “até meu filho crescer”, “até ele entrar na escola”, , “depois que eu encontrar companhia”, “até o meu cabelo enrolar”, etc: procrastinação! Sempre estamos adiando, sempre estamos contando regressivamente em datas “cabalísticas” como se alguma mágica fosse acontecer num estalar de dedos e toda a nossa vida fosse mudar de uma hora para a outra, com o aparecer de uma fada madrinha ou de um príncipe encantado como na história da pobre Cinderella… evidências nada mágicas mostram que sacrificados só são recompensados quando saem da posição de vítimas e passam a ser autores da própria história.

A realidade é que, realmente, energias circulam, movimentos ocorrem o tempo todo no Universo, mas você minha/meu cara(o) amiga(o) tem um grande poder chamado livre-arbítrio, o que quer dizer que se você decidir virar uma pedra enquanto o Big Bang cria um novo mundo, você vai ser essa pedra até quando puder aguentar se enrijecer e, caso não esteja na mesma sintonia desse novo mundo que se cria à sua volta, pode voar pra fora dele e se tornar  um asteroide inerte qualquer na escuridão universal. A vida é movimento, nossa real contagem é progressiva, mas você pode optar não se mexer e ficar aí apenas coexistindo… e sofrer, afinal, nós já sabemos o que é viver infeliz, e, justamente por ser tratar de algo conhecido é que a infelicidade não nos assusta.

A realidade é que vivemos conduzidos pelo medo e não pelo amor. O medo busca segurança acima de tudo, o amor busca o desconhecido, as roupas novas para vestir a nossa alma quando cresce.

Todos os dias fazemos escolhas, conscientes, ou não, e são essas escolhas que criam o nosso universo pessoal. Todos os dias podemos escolher fazer algo para que nossa vida se pareça mais conosco ou, simplesmente, podemos  continuar fazendo coisas que aprendemos a fazer e que não têm nada a ver com o que realmente somos.

Por exemplo, você sonha em trabalhar com o que ama mas continua fazendo o que não ama, todos os dias, em vez de meditar na Travessia do divino Milton “já não sonho, hoje faço com meu braço o meu viver”. Porque a única diferença entre o que você é e o que você quer ser, é o seu fazer.

Porque se você vê, está em você e se você não manifesta isso é porque não quer.

A minha contagem regressiva

Para exemplificar o que quero compartilhar aqui, a minha contagem regressiva pessoal está acontecendo desde que pedi exoneração do meu cargo público e decidi investir em trabalhos que amo, e, ainda mais, numa vida mais verdadeira para mim e para a minha família, com ambientes e fazeres que mais combinam com o nosso eu interior, independentemente do sistema macro em que estamos mergulhados e das crenças mais padronizadas que banham a todos nós como membros de uma sociedade.

12237944_10153121072940780_1944819235010963677_o
No workshop Os 7 segredos do parto, dizendo adeus à velhos ciclos e olá a um novo e melhor.

Algumas pessoas andaram me questionando recentemente como consigo viver “como eu quero”, como pago minhas contas e sustento meus três filhos: “mas como essa mãe/mulher se sustenta economicamente falando? Tem custo de moradia, alimentação, transporte, lazer, saúde, vestuário. Existe um recorte de classe a se levar em conta…”

Bom, primeiro devo esclarecer que não vivo exatamente da forma como quero, mas estou dando os passos corajosos que faltam para que todo o apego pertença somente ao passado e para que um universo imenso esteja ao meu alcance e ao dos meus filhos (porque nesta fase da vida deles, o que eles vivem é muito uma extensão do que eu própria estou vivendo).

Algo que eu já assimilei, é que escolher conscientemente é necessário para se ser feliz e não tem nada a ver com facilidades. Na realidade, é muito difícil remar contra a maré, é muito difícil ser a gente mesmo o tempo todo, mesmo porque, nos conhecemos muito pouco, e, pra piorar, nos identificarmos o tempo todo com a nossa mente, com o nosso ego e com as nossas tantas máscaras que usamos (tipo aquele nosso eu que está nas redes sociais ou nos “bom dias” mornos que dizemos), nada disso somos nós e apenas desapegando disso tudo que nós não somos é que poderemos ser nós mesmos e viver de acordo com o nosso ser: isso sim é sucesso e felicidade! Sim, porque é muito difícil abandonar a nossa velha companheira, a infelicidade e buscar o nosso próprio sucesso, que não tem nada a ver com conceitos-padrão.

Pra quem pensa que pra mim é fácil, que sou uma privilegiada da Existência (com a minha “vida natureba whiskas sachê”, como já me disseram… e me fizeram gargalhar, agradeço), nunca tive a facilidade, por exemplo, de cuidar dos meus filhos sem pensar em prover o lar materialmente, pelo contrário, sempre fui a maior responsável por isso (muitas vezes a única, por vários períodos). (Deixo claro que acho muito justo pra quem pode e quer viver de pensão alimentícia, já que o cuidado que a mãe tem com os filhos e, muitas vezes, com um lar também, é um trabalho que demanda muito mais do que muitos outros desempenhados longe da família.)

IMG-20140923-WA0043
A espera de Estela. Setembro/2014.

Sendo assim, desde um ano atrás, alguns meses após eu ingressar no serviço público, grávida, comecei a poupar dinheiro. Eu já vivia há alguns anos uma vida muito mais simplificada do que tive a maior parte da minha vida (conto isso melhor aqui) e, acumulando meus rendimentos do serviço público com de serviços de comunicação que me mantinham fazendo home office há 7 anos, consegui me propor a poupar.

Primeiro a poupança seria para o parto domiciliar da Estela, o que acabou não acontecendo, pois mudei de ideia na reta final e decidi tê-la pelo SUS, então o dinheiro ficou lá, guardado. Depois, foi-me crescendo a ideia de que eu não queria voltar a trabalhar batendo ponto todos os dias e ficando 9 horas fora de casa, com minha bebê tão pequena e mais dois filhos pequenos sem pais presentes… atende-los apenas à noite quando eu chegasse do trabalho e nos finais de semana… definitivamente, isso não era vida pra mim, nem pra eles. Depois percebi que até mesmo financeiramente, retornar ao serviço não valeria a pena, pois eu teria que pagar escola integral para os três e as entradas e saídas acabariam empatando. Um luto no quinto mês do ano seguido da internação do meu filho foi a gota d’água: eles precisavam de mim e eu ficaria com eles acima de tudo, nem que eu tivesse que vender côco na praia ou estender minha esteira de miçangas. E outra, meus filhos merecem uma mãe feliz, se eu quero que eles sejam felizes, tenho que dar o exemplo de felicidade.

IMG_20150611_114249
Meus despertos. Junho/2015.

Comecei a escrever este blog para me encontrar, compartilhar todas as minhas ideias borbulhantes puerperais, ouvir o retorno disso tudo que eu ecoava e para encontrar em mim o meu, na verdade “os meus” trabalhos ideais futuros: flexíveis, de jornada reduzida e que eu amasse, sobretudo.

Li muito nas madrugadas, participei de webnários, escrevi um décimo do que gostaria. Viajei para alguns lugares, conversei muito com leitores, com amigos, fiz amigos, fiz cursos e continuo estudando.

Aos poucos a tensa neblina e ocasionais cumulus nimbus do puerpério foram abrindo frestas para a clareza e comecei a escolher. Escolhi novos novos trabalhos e me capacitar para eles, resolvi a nossa nova cidade-residência e resolvi, também, continuar a escrever e cada vez mais.

Só que, desde setembro de 2015, com o meu desligamento do serviço regular, que veio após fim da licença maternidade mais um mês de férias, também parei de receber meus rendimentos regulares tanto do cargo público quanto do cargo contratado. Tanto o serviço estável quanto o durável fecharam seu ciclo na minha vida e passei a utilizar as reservas da minha poupança para custear as despesas da minha família. Assim, até elas acabarem, (o que eu não gostaria que acontecesse), eu já tenho que ter começado a conquistar fundos provenientes dos meus novos empenhos, em outras palavras, meus novos trabalhos terão que estar dando retorno em dinheiro.

Como diz minha amada mentora Paula Abreu, “hoje nós vivemos numa cultura permeada por opções, incluindo a opção de ‘reiniciar’ e ‘desfazer’. Queremos, para tudo, ter um plano de escape. Mas, em certos momentos da vida, o que precisamos é ir em frente. Se não queimamos os barcos e sempre deixamos espaço para recuar, também permitimos a hesitação, o medo, a autosabotagem e a resistência. Quando sucesso e fracasso são as únicas alternativas, você não tem escolha a não ser ir até o fim. Se os barcos estão queimados, você está totalmente comprometido. Seu coração e sua mente estão cem por cento focados, sem distrações. Sem olhar para trás.”

Então, de barcos queimados, defronte a um imenso mar e em contagem regressiva para começar a receber o necessário para bancar a vida que escolhemos e progressiva para ter uma vida integralmente de verdade, é que lanço meu abraço à vida e minha gratidão a todos vocês que fizeram parte desse processo, e me preparo com muito amor, garra, fé e, cada vez mais, com verdade, para conquistar esse novo território prometido ao meu Ser procurador, sem chances de voltar atrás.

Feliz novo ciclo pra mim, e pra você, seja quando for, mas que seja de verdade, lembrando que todo dia é dia de viver uma vida de verdade.

Deixo vocês com a Parábola do Semeador, um ótimo não-pensamento/ ensinamento para meditarmos e nos colocarmos no nosso próprio rumo:

Naquele dia, saindo Jesus de casa, assentou-se à borda do mar. E vieram para ele muita gente, de tal sorte que, entrando em uma barca, se assentou, ficando  toda a gente de pé na ribeira; e lhes falou muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis aí que saiu o que semeia a semear. E quando semeava, uma parte das sementes caiu junto da estrada, e vieram às aves do céu, e comeram-na. Outra, porém, caiu em pedregulho, onde não tinha muita terra, e logo nasceu, porque não tinha altura de terra. Mas saindo o sol se queimou, e porque não tinha raiz, se secou. Outra igualmente caiu sobre os espinhos, e crescendo os espinhos, a afogaram. Outra enfim caiu em boa terra, e dava fruto, havendo grãos que rendiam a cento por um, outros a sessenta, outros a trinta. O que tem ouvidos de ouvir, ouça. (Mateus, XIII: 1-9 ). Ouvi, pois, vós outros, a parábola do semeador. Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a entende, vem o mau e arrebata o que se semeou no seu coração; este é o que recebeu a semente junto da estrada. Mas o que recebeu a semente no pedregulho, este é o que ouve a palavra, e logo a recebe com gosto; porém, ele não tem em si raiz, antes é de pouca duração, e quando lhe sobrevêm tribulação e perseguição por amor da palavra, logo se escandaliza. E o que recebeu a semente entre espinhos, este é o que ouve a palavra, porém os cuidados deste mundo e o engano das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutuosa. E o que recebeu a semente em boa terra, este é o que ouve a palavra e a entende, e dá fruto, e assim um dá cento, e outro sessenta, e outro trinta por um. (Mateus, XIII: 18-23).

Coragem! Namastê!

_________________________________________________________________
Conheça o treinamento online que me deu clareza e empoderamento para viver do que amo, sem voltar atrás.

4 Comentários


    1. Oi Denise! Vou conhecer seu blog! Eu optei por divulgar somente o que eu mesma uso e acredito, porque, também, sou uma péssima vendedora kkkk. Só deixei um link do Adsense pra fazer a diplomacia necessária. 🙂 Seja sempre bem-vinda! Namaste!


  1. Olá Mariana,

    Venho observando pela vida que quando um caminho tem coração ele tende ao sucesso!

    Boa sorte na nova jornada!

    “Um caminho é só um caminho, e não há desrespeito a si ou aos outros em abandoná-lo, se é isto que o coração nos diz…
    Examinhe cada caminho com muito cuidado e deliberação.
    Tente-o muitas vezes, tanto quanto julgar necessário.
    Só então pergunte a você mesmo, sozinho, uma coisa…
    Este caminho tem coração?
    Se tem, o caminho é bom,
    se não tem, ele não lhe serve.
    Um caminho é só um caminho.”

    Carlos Castaneda

Deixe uma resposta